A nossa história

A cultivar ano após ano

A nossa missão

Na Fazenda Cristalina cultivamos hortícolas de qualidade,
contribuindo para a auto-suficiência alimentar de Angola,
enquanto potenciamos as exportações do sector agrícola.

A Fazenda Cristalina é uma iniciativa do empresário António Soares dos Santos.
Devido ao seu percurso profissional, o empreendedor conheceu casos de sucesso nos sectores agrícola e agro-industrial em países como os EUA, Brasil, Argentina, Espanha, França ou África do Sul.

 

A escolha


Os bons exemplos e boas práticas que foi testemunhando levaram-no
a querer desenvolver um projecto semelhante em Angola.
E assim estava lançada a semente para o germinar da Fazenda Cristalina.


Uma vez tomada a decisão de avançar com o projecto (decorria o ano de 2006),
António Soares dos Santos tinha pela frente a escolha do local mais apropriado
para o que pretendia cultivar. Na altura, além dos solos e do clima,
era preciso ter em atenção seis factores em específico:

A odisseia

Tendo em conta estas especificidades, a escolha recaiu
nas províncias do Kwanza Sul (com a particularidade de
o promotor do projecto ter passado parte da sua infância
nesta zona de Angola), de Kwanza Norte e de Malange.
Foi quando se iniciou a odisseia da obtenção de terras.
Passados cerca de 12 meses de viagens a estas províncias,
António Soares dos Santos optou por Malange e Kwanza-Norte.


Após mais um ano de estudos e análises de mapas da região
e de contactos com as autoridades locais, o empreendedor
percebeu que teria de escolher terras nunca antes desbravadas
e trabalhadas, pois os terrenos conhecidos como tendo sido
usados como fazendas agrícolas já tinham proprietários. Assim,
o empresário demarcou uma área de terra que até então não tinha
sido utilizada para a agricultura e que não tinha dono/ocupante.

A desmatação e… ocupação


E em 2008 iniciou o processo de legalização dessas mesmas terras. No entanto os procedimentos foram morosos, tendo passado mais de quatro anos até ter
os documentos dos terrenos, que passaram a denominar-se Fazenda Cristalina.


Em 2012 o empreendedor avançou com os trabalhos de desmatação,
de abertura de estradas (picadas) e de preparação de solos aráveis.
Entretanto, em pleno processo de transformação do que antes era
selva em algo que tomava a forma de fazenda, uma parte das terras
foi invadida (toda a zona limítrofe do Rio Lucala) por um cidadão
que se intitulava de General, acompanhado por homens armados. 

Durante sete meses, esta ocupação impediu a equipa de António
Soares dos Santos de trabalhar e de circular por partes da fazenda.
O impasse viria a ficar resolvido após a obtenção dos títulos definitivos
de concessão dos direitos de superfície das terras.


Aqui, o empresário faz questão de salientar a intervenção do governador
da província de Malange na altura, Norberto Fernandes dos Santos “Kwata
Kanawa”, que fez com que a lei fosse cumprida e ainda assistiu o invasor
na obtenção de terras noutro local da província, tendo resolvido o litígio. 

Ao longo de 4 anos

Primeira sementeira
Neste ano era feita a primeira sementeira, com o apoio de consultores sul-africanos em agricultura: cerca de 170
hectares de milho.

2015

2016

Diversificação
A área semeada de milho atinge
os 390 hectares. Neste mesmo ano
a Fazenda Cristalina diversifica e são
plantados 30 hectares de mandioca
e 4 hectares de batata-doce.

Aumento do cultivo
São semeados aproximadamente 530 hectares de milho, cerca de 12 hectares de batata-doce e 50 hectares de mandioca.

2017

2018

Pivots para regadio
Após ter sido adjudicada a compra
dos primeiros 270 hetares de pivots
para regadio em 2017, este arrancou
no primeiro semestre de 2018.

Dado que o aumento na produção exige infra-estruturas à altura, no final de 2016 são construídas bases para silos de grãos e cereais. Arranca também a edificação das primeiras casas definitivas para os colaboradores e visitantes da Fazenda Cristalina, espaço apelidado de Villa Lita. No exercício de 2017 António Soares dos Santos inicia a construção de vários edifícios do campus técnico e administrativo (uma área composta por escritórios, laboratório, armazéns, balança para camiões, oficinas, casa para os mecânicos, refeitório, lavandaria, entre outras instalações), bem como do campus residencial para os técnicos da fazenda. Entretanto, a Villa Lita ficou pronta.

A Fazenda Cristalina começou
por dar emprego a três pessoas:
um brasileiro que coordenou
a desmatação e dois angolanos.

Hoje conta com 55 trabalhadores
a tempo inteiro, sendo que nas épocas
de sementeira/plantio ultrapassa
os 100 colaboradores.

Projecto Fazenda Cristalina

Potenciar a economia local

Com este projecto, o empreendedor António Soares
dos Santos ambiciona contribuir com a sua quota-parte
para a auto-suficiência alimentar de Angola, enquanto potencia as exportações do sector agrícola do país. Pelo meio promove o desenvolvimento rural e agroindustrial
do Malanje, e faz juz ao mote da Fazenda Cristalina – Alimentamos um futuro melhor.

Responsabilidade social

Quatro meses depois a Fazenda Cristalina voltou a apoiar esta área, num evento que envolveu crianças, ao fornecer kits durante a actividade interescolar intitulada Soletrando, no auditório da rádio Malanje; a iniciativa foi organizada pela TPA Malanje (Televisão Pública de Angola), inserida nas festividades do 42.º aniversário do canal de televisão, a 18 de Outubro. Ainda no âmbito da participação e contribuição para a  comunidade, faz parte dos planos de António Soares dos Santos erigir uma escola com duas salas para 30 alunos cada, num total de 60 crianças, com dois períodos/turnos
(manhã e tarde) e assim receber 120 estudantes.

O empreendedor quer também construir, na Fazenda Cristalina,
um posto médico para atender não só os trabalhadores como
também as pessoas que vivam nas proximidades.